A Importancia do dialogo no desenvolvimento da criança e adolescente, na integração familiar e social

A Importancia do dialogo no desenvolvimento da criança e adolescente, na integração familiar e social

8 de junho de 2019 Off Por brenosilverio

A IMPORTÂNCIA DO DIÁLOGO NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE, NA INTEGRAÇÃO FAMILIAR E SOCIAL

Você já se perguntou se esta Ouvindo ou Escutando as pessoas de seu ambiente social e familiar? Pratica o Diálogo dinâmico e “olho no olho”?

Existe claramente uma diferença entre OUVIR E ESCUTAR.

 Onde OUVIR é apenas a captação dos sons enviados e processados;  e ESCUTAR já exige sensibilidade, empatia, disponibilidade e entendimento da informação que esta sendo processada; é saber se colocar no lugar do outro, é estar com o coração atento, positivo, e caridoso a realidade e necessidade.  Através desse entendimento podemos afirmar que o diálogo é ferramenta base para formação do “Ser” e ato imprescindível na integridade Familiar e Social, e que escutando e dialogando damos sentido a nossa existência de forma mais positiva e nos relacionamos de forma mais saudável.

Ás vezes pela falta de tempo, outras por desinformação, rotina de trabalho, repara-se que o diálogo entre pais e filhos se transforma rapidamente em monólogo, ou termina em uma tela de celular ou Tablet. Temos como ênfase neste texto o ambiente Familiar, carente de diálogo e induzido pelas tecnologias de acessibilidade, que invés de aproximar pessoas, afasta as mesmas; resultando em graves desconstruções emocionais, afetivas e morais, afetando principalmente crianças e adolescentes reféns da rotina do adulto e da falta de informação e carência do mesmo, reféns da acessibilidade tecnológica.

 A realidade do monólogo atualmente apresenta: “Pais e filhos se comunicam e convivem por aplicativos de celular”. Pode-se citar a ideia que dominam e controlam seus filhos por rede social e telefone; mas desconhecem seus hábitos naturais e sua rotina de vida real, famílias engessadas a um  mundo superficial, onde a moralidade vive no vácuo de experiências próprias, e do suprir carências pela materialidade. Assistimos a realidade de poucas famílias que ainda almoçam em um domingo sem o celular na mesa, ou que se reúnem para conversar sem interferência tecnológica, e que crianças brincam correndo e gritando, ou jogando uma bola de verdade; sem estarem visionadas estaticamente pela TV, celular, tablet ou vídeo – game.

Estudos apontam que deixar uma criança desde cedo acoplada a tela de um celular, TV ou Tablet pode atrasar o desenvolvimento social e de linguagem da mesma, oftalmologistas e demais especialistas advertem os males causados a visão, e ao descuido da evolução física e emocional desta criança.

Será que realmente precisamos prender uma criança a um celular para “congelar um pedaço de tempo”? Para termos um tempo? Essa criança vai entender o que é o tempo e o quanto o mesmo é valioso a sua existência? O quanto ela é importante? Qual o sentindo da sua vida? Já pensamos o quanto um diálogo, um tempo refletindo ou relaxando, uma atenção “exclusiva” traz a nós mesmos e ao próximo a questão de existência?

Aplicar que seja 10 ou 20 minutos por dia, que você se dedique  exclusivamente a você, a uma criança, a pessoas de seu convívio;  sem interferência de um celular, por exemplo; através do toque de carinho, do diálogo olho no olho, do brincar de verdade; transmite-se segurança, entendimento, afeto e verdade.

Todas as pessoas precisam de um Tempo sem medidas sem interrupções externas; da verdade de um diálogo presente, de ESCUTAR, de dar sentido a sua existência, de se amar e viver feliz através de suas conquistas pessoais e profissionais.

A acessibilidade sem controle às ferramentas Tecnológicas não traz benefícios; imagine a chuva de informações e questionamentos na cabeça de uma criança e adolescente que não tem acessibilidade a um diálogo para discutir e esclarecer sobre tais informações recebidas e o conflito de pensamentos e influências que a mesma vai ter?

A ferramenta tecnológica tem sim seus atributos que colaboram de forma positiva para o desenvolvimento do ser humano, isso quando usada de maneira correta, didática e no tempo certo, com orientação, e claro Diálogo, lembrando que a tecnologia veio para nos auxiliar e não para nos tornarmos reféns dela.

Reflita no poder de um Bom dia na Vida do Próximo, acorde positivo, se “dê BOM DIA”; o quanto um elogio nos motiva, o quanto uma orientação dada em claro diálogo mesmo que seja vinda por uma crítica sugestiva nos faz motivar em melhorar e seguir em frente, e isso não se tem idade para relacionar; o poder da fala, da palavra, o quanto o diálogo soluciona conflitos externos e internos.

Que tal manter no lar o ponto de encontro dos corações que compõem o ambiente Familiar? É no Lar nosso primeiro ambiente de experiências sociais e de convívio e aprendizado para formação de nossas características pessoais e desenvolvimento social. Observar a importância da palavra compreensiva e oportuna, manter o hábito frequente do diálogo, da cortesia, da tolerância, são atitudes que conseguem mudar a rotina do ambiente e a vida motivacional dos envolvidos.

Valorize o tempo, ele não para, mas você pode dar sentindo ao mesmo, iniciando com uma boa conversa, uma palavra positiva, um Diálogo significante.

Tatiele Bossolan

Tecnóloga em Gestão de Recursos Humanos

CRA- SP: 6-001959E-mail: tatiele.bossolan@hotmail.com/

Facebook: @tatieleaparecida(Tatiele Bossolan)

Intagram: Tatiele Bossolan